Páscoa de recompensa: a colonização da Cuesta e sua ligação com a Páscoa

Você deseja conhecer a história da páscoa, desde o coelho, caça aos ovos e a ligação de tudo isso com a  colonização da Cuesta? Continue a leitura…

 A colonização da Cuesta

Fundada por imigrantes italianos e portugueses que buscaram a região por seu clima brando e montanhês. Até hoje a sua localização da Cuesta chama a atenção pelo aconchego de cidade pequena. A colonização de Pardinho teve início no século XVIII, quando as terras próximas à Serra de Botucatu foram divididas em sesmarias, que era um lote de terras distribuído a um beneficiário, em nome do rei de Portugal, com o objetivo de cultivar terras virgens. Originada como medida administrativa nos períodos finais da Idade Média em Portugal, a concessão de sesmarias foi largamente utilizada no período colonial brasileiro. Iniciada com a constituição das capitanias hereditárias em 1534, a concessão de sesmarias foi abolida apenas quando houve o processo de independência, em 1822, dentre estas, a Fazenda Santo Inácio deu origem às cidades de Pardinho e Botucatu.

A origem da caça aos ovos na Páscoa

Páscoa de recompensa: a colonização da Cuesta e sua ligação com a Páscoa 4

Você já deve saber que a Páscoa, relembra a ressurreição de Jesus Cristo, assim nos remete a um recomeço e o desejo de recompensar nossos dias com a celebração da vida. Mas, a Páscoa também tem como símbolos, o ovo de chocolate e o coelho. E às vezes podemos nos deparar com a dúvida de qual é a relação entre ovo, coelho e Páscoa? E o que a Cuesta tem a ver com tudo isso?

Como já mencionamos antes, a Cuesta foi colonizada por imigrantes Italianos e Portugueses, e com eles vieram suas tradições e a sua cultura, ambas tão ricas que resolvemos resgatá-las e trazê-las a você.
Na tradição o coelho da Páscoa é aquele que traz os ovos de chocolate e os esconde para que as crianças possam procurá-los. Assim, é comum que, durante a Páscoa, os pais escondam os ovos de Páscoa para que as suas crianças procurem por eles.

Existem muitas teorias a respeito da origem do coelho da Páscoa, algumas afirmam que a associação do coelho com a Páscoa tem origens pagãs, enquanto outras teorias sustentam que o coelho, desde a Idade Média, já possuía uma relação direta com o Cristianismo, outros falam que o coelho e os ovos simbolizam a fertilidade e a prosperidade. E claro, é impossível afirmar qual das teorias é a correta, mas, de toda forma, são teorias importantes que nos faz refletir a cerca do assunto. Adentrando profundamente no assunto da páscoa, te propomos a conhecer as tradições europeias que podem ter influenciado a nossa páscoa aqui no Brasil.

A Páscoa na Itália: resgate da tradição

Assim como no Brasil, a Páscoa na Itália é um feriado religioso. Lá, além da grande maioria das pessoas serem religiosas, também gostam de festas assim como no Brasil, por isso aproveitam bastante o feriado prolongado. Muitas tradições são mantidas desde muito tempo, mas, é claro, que muita coisa nova vem se agregando à Páscoa, como os tradicionais e encantadores ovos de chocolate.

Desde o início de toda a tradição pascal na Itália, os antigos romanos comemoravam a Páscoa com uma festa em homenagem à fertilidade, momento em que as crianças se reuniam para uma caça aos ovos escondidos pelas casas e encontrando esses ovos elas eram recompensadas com doces. Os italianos trouxeram essa tradição para o Brasil e ainda hoje, tanto lá quanto aqui, famílias se divertem com essa prática muito divertida no domingo de Páscoa.

Antes de surgirem os ovos de chocolate, as pessoas usavam os ovos de galinha decorados para presentear alguém, se você já tem certa idade vai lembrar que quando era criança seus pais e avós o faziam decorar os ovos e pintá-los bem coloridos, até mesmo na escola se utilizava muito essa prática e tornou-se um hábito presentear com ovos para simbolizar o início da vida. Imagine agora, você voltando a essas tradições desses importantes colonizadores da Cuesta de Pardinho? E se você tivesse a oportunidade de realizá-las em um lugar lindo em meio à natureza assim como faziam antigamente? Seria muito bom!

Seguindo o mesmo caminho, o Coelho da Páscoa surgiu no mesmo período que a tradição dos ovos e com a ideia da fertilidade e da vida, por conta do tamanho da sua ninhada. Mas relacionando o coelho com a Páscoa, a ideia era mostrar que a mensagem de paz e amor de Jesus Cristo deveria se reproduzir entre a humanidade com a mesma velocidade que um coelho. A intenção sempre foi a de passar a mensagem de que na Páscoa devemos comemorar a renovação da fé e a paz, é a recompensa da vida.

Ora pois pois, chegamos à Páscoa de Portugal

Páscoa de recompensa: a colonização da Cuesta e sua ligação com a Páscoa 5

Assim como na Itália, Brasil e em muitos outros países, Portugal também tem uma comemoração de Páscoa muito religiosa. Para eles a comemoração também relembra a morte e a ressurreição de Jesus Cristo e conta com tradições como procissões, encenações teatrais e reflexão cristã por todo país, cultura essa que também trouxeram para o Brasil. No entanto, assim como em outros lugares do mundo existem algumas tradições que se diferenciam das outras. Um exemplo é a limpeza da casa na Páscoa, uma prática muito comum por todo Portugal. Nesta época do ano limpam-se as casas, para receber a visita pascal, o “Compasso”, que simboliza a entrada de Jesus Cristo no lar, com a bênção do padre que benze a casa e todos os que ali habitam. Para receber o “Compasso” eles sempre têm à mesa amêndoas e doces, além de licores e vinho. Aqui na Cuesta herdamos dos portugueses a paixão pelo vinho e na região a uva é transformada de forma artesanal em um vinho especial, garantindo qualidade ao consumidor. “Ora pois, pois.” Então assim, aqui você pode ter a chance de resgatar uma tradição pascal portuguesa como se estivesse no continente europeu e saborear na páscoa um delicioso vinho artesanal em meio à natureza, em um chalé aconchegante que no momento atual é uma excelente opção para um isolamento social com a família e curtir o feriado da Páscoa.

Normalmente no período de Páscoa a rede escolar entra em férias de duas semanas em Portugal e aí eles agregam o costume de viajar para a Páscoa. Com os dias de folga mais longos é comum, famílias inteiras saírem de viagem e se juntarem a familiares distantes para celebrar a Páscoa ou vão para lugares onde possam descansar e terem momentos de lazer em família. Estamos vivendo um período em que visitar familiares já não é mais tão fácil assim, então convido-o a hospedar-se aqui nos Chalés da Cuesta, onde você pode ter a segurança de estar longe de aglomerações, aproveitar com os filhos o frescor do clima serrano e ainda participar de uma fabulosa caça aos ovos como os nossos colonizadores faziam.

A tão esperada páscoa está chegando, e essa data tão importante que nos relembra tantas tradições não podem ser passada em branco. Por isso, nós do Chalés da Cuesta aproveitamos esse momento para resgatar a velha tradição da caça aos ovos, onde as famílias se reuniam em parques, campos e jardim para encontrar os ovos deixados pelo “coelho da Páscoa”. Nosso objetivo é resgatá-la, pois o seu significado é o recomeço. E nos dias de hoje tudo o que queremos é iniciar um período de renovações intensas e é claro de grandes “recompensas”. Por isso chegamos com a campanha “Páscoa de recompensa”, em que fazendo a sua reserva e se hospedando nos nossos Chalés você concorre a uma estadia gratuita no Dia dos Namorados e ainda participa de uma incrível caça ao ovo dourado.


Leia nossos artigos anteriores

Fundada por imigrantes italianos e portugueses que buscaram a região da Cuesta pelo clima brando, montanhês e o aconchego de uma cidade pequena, a nossa região é cheia de cultura...

O que fazer na região da Cuesta?