O que fazer no inverno da Cuesta?

Sugerir um passeio de inverno para quem mora no Estado de São Paulo é praticamente impossível. Parece que as pessoas só estão dispostas a ouvir uma coisa: Campos do Jordão. Nada contra a famosa cidade do Vale do Paraíba, mas você sabia que existem outros destinos bem menos badalados em que você pode curtir o frio e conhecer paisagens incríveis? Um deles é a região da Cuesta.

Diferentemente de Campos do Jordão, em que a temporada começa justamente no frio, a Cuesta é um destino turístico durante todo o ano. No verão, as altas temperaturas permitem os passeios mais molhados, como cachoeiras, piscinas e os rios. Já durante o inverno, uma boa pedida é aproveitar as poucas chuvas para fazer admirar as paisagens com mais tranquilidade. A observação de estrelas, por exemplo, é uma prática que fica mais interessante com menos nuvens no céu.

Se lá tem Baden Baden, aqui tem Glatz

Porém, com as temperaturas mais baixas, o ideal é aproveitar o momento para conhecer a gastronomia da região. Se você vai para Campos procurando uma cerveja artesanal, então precisa conhecer a Glatz. A cervejaria oferece iguarias da Escola Alemã, como Pilsen, Vienna, Bock; Escola Belga, como Wit Bier, Belgian Blond Ale, Dubbel e também da Escola Inglesa, como IPA, Stout, etc. Todas produzidas de forma artesanal, utilizando ingredientes importados e respeitando o tempo de produção.

Se a ideia é beber algo mais quente para aquecer o peito, uma parada obrigatória é o Café Cuesta. Os grãos nobres são de origem 100% Arábica produzidos com todo o cuidado de maneira artesanal, integrado a práticas criteriosas de manejo de lavouras e gestão ambiental. Além disso, o cardápio inclui salgados e sobremesas que combinam com a vista privilegiada a região.

Para comer, opção é o que não falta. Mas se você gosta de parmegiana, dois lugares são ideais: o Casarão Eurico Nunes e a Camponesa. Já para desfrutar da típica culinária caipira da região, a pedida é o Paineira Velha. Lá, é possível ver a paisagem mais famosa da Cuesta, o Gigante Adormecido.

Quem gosta de opção e de requinte, a melhor escolha é o Rancho do Maluli. O ideal é comer sem pressa para poder aproveitar tudo o que o local oferece. Para os mais dispostos, também é possível sair de Pardinho para conhecer outros locais interessantes como a Quilombaria – Empório Orgânico e Café, em Bofete, ou os restaurantes do bairro Demétria, em Botucatu.

Depois que você conhecer as paisagens, tranquilidade e sabores da Cuesta, não vai sentir saudade do Morro do Elefante.

Leia nossos artigos anteriores

Com as temperaturas mais amenas, conhecer a gastronomia da região é um bom roteiro.